Tag Archives: medo

Citação

O amor?

O amor é um vôo.

Certos momentos, sofremos muito por amar alguém e este alguém partir, sem um motivo que pra nós, seja concreto.

Amar é aprender a voar.

Estar ao lado de alguém numa nova etapa é sempre um renascimento, onde se tem a chance de ensinar e aprender.

As asas recomeçam a formação, o medo inicia com o passar do tempo, os passos são curtos e a distância é imaginável.

É preciso confiança para voar de novo.

E há quem não queira voar, ou permitir que o outro voe, mesmo sabendo da importância disso para ambos.

Voar não significa partir. Significa se desprender do mundo e dos padrões, com a responsabilidade alheia a quem te ensinou.

Há quem não ensine, há quem ensine e se arrependa.

Há quem não compreenda se deve realmente ensinar, e há quem nem queira mais aprender.

Há quem sabe tão bem que assusta os demais, e acaba voando sempre sozinho.

Amar… É alçar vôo, é caminhar com asas. E ter um pé no chão e olho no céu.

Ás vezes, é esquecer que existem pés e apenas sentir as asas.

Saber que se pode voar sozinho, mas que voar acompanhado pode ser bem divertido.

Uma grande verdade é o porquê que a emoção de voar tem que começar com o medo de cair?

Certas horas, um empurrão é preciso.

Porém, em alguns momentos, é importante reconhecermos que, melhor que o “empurrão” é voar por conta e risco próprio.

Já se sabe tudo sobre o vôo, mas o medo não permite você sair do lugar.

Eu acredito que enquanto não descobrimos nossas asas, não saberemos o propósito da vida.

Os riscos são grandes, e cair do céu faz parte do crescimento.

Seja por um vento forte ou por uma leve brisa.

Seja lá por uma bala de canhão ou por uma pedrinha, lançada por um estilingue.

Somente voando você poderá sentir…

A emoção de estar nas nuvens, a descoberta de novas paisagens, o orgulho de ter saído do lugar.

Não se coloque em uma gaiola. Estar preso é uma condição, e não uma imposição.

Liberdade é risco, mas também é previlégio.

O verdadeiro amor não te prende, ao contrário, te liberta!

Se estava se sentido preso, comece devagar.

Primeiro, bata uma asa… depois a outra… Pule… Comece a sentir o poder que está em você.

Você vai se machucar no início, e depois também.

Não se assuste! Será isso que lhe fará crescer.

Estar livre e poder amar é descobrir que a vida não se limita ao chão, nem ao céu, nem há correntes e gaiolas.

Ame, mas não aprisione.

Deixe o outro voar também.

Se ele não voltar, não desanime.

Voar é escolha, amar e voltar é decisão.

Amar é estar entre o céu e o mar.

Bom vôo!

“coloque um peixe na terra e ele lembrar-se-á do oceano até à morte.
coloque um pássaro na gaiola e mesmo assim ele não se esquecerá do céu.
cada um permanece saudoso do seu verdadeiro lar.
o local em que a sua Natureza decretou que ele deveria estar.”
textos Zen

Vôo

Anúncios

Portas

Padrão

O que você faz quando está diante de uma que não conhece?

Se for como eu, responderia que “depende de como estou”.

Quando notamos uma porta, costumeiramente não nos damos conta da importância de cada uma.

Ao abrir, estará se arriscando. Ao ignorar também.

Há aqueles que abrem, escandalosamente.

Outros, que por medo, só a tocam.

– Pessoas felizes costumam abrir algumas portas, por empolgação.

Com ela, a ilógica da coisa. Por não pensarem um pouco antes, podem se decepcionar com o que veem. Assumem os riscos, por talvez não se contentarem com o que tem e querer sempre sempre sempre mais. Outrora, dependendo da porta, podem conquistar algo que não tinham, e quem sabe, renovar a felicidade que julgavam possuir. A vida é risco.

– Pessoas “não tão felizes” podem sentir medo. Abrir uma porta pode representar a eles um risco demais a ser corrido. Ao mesmo tempo, não abri-las o deixará no mesmo lugar, e desta forma poucas serão as chances de algo novo (e melhor) acontecer. A vida é risco.

– Os mais vividos pensarão bem antes de abrir qualquer porta ou até mesmo uma janela. Recordando-se das portas que já abriu, não agirá aos extremos. Só abrirá ou a ignorará quando estiver apto a assumir as consequências de ambos. A vida é risco.

– Os mais otimistas, poderão escancarar ao invés de abrir somente. Estes contarão com uma consequência (ou resultado) do tamanho de sua empolgação. A vida é risco.

– Os confiantes podem abrir e deixa-la encostada ao sair. Têm em si, que poderão voltar quando quiser. Nem sempre uma porta fica aberta pra sempre. A vida é risco.

– Tomados por sentimentos repentinos de negativismo, outros poderão batê-la fortemente e até machuca-la na saída. Ao passar de novo por ela, um tempo depois, talvez sinta vontade de entrar. Mas, foi ele mesmo quem a fechou. A vida é risco.

– Por fim, há quem nunca fecha uma porta. Por descuido, por medo ou simplesmente por opção de liberdade. Uma vez que fechada, nem sempre será possível abri-la de novo. Uma vez que aberta, um mundo diferente á espera, cheio de obstáculos e fortalezas.

Notando que uma porta representa uma passagem, uma transição, eu digo a você que sempre é tempo de decidir. Estagnar é uma consequência do medo, que te permite ficar no mesmo lugar sempre.

Muitos não fecham portas por terem em mente que elas estarão abertas sempre, e se preparam para decidir. O mundo não pára, as pessoas que param seus mundos.

– Quando você estará preparado?

Muitos também deixam para abri-las sempre depois.

– Até quando haverão portas?

Outros abrem sempre, independente do momento.

– Você precisa disto, ou se contenta com o que tem?

Independente da situação que esteja vivendo, consequências virão, abrindo portas ou não.

Existe um medo (e o motivo) engraçado que paralisa as pessoas diante de uma porta:

O medo de ser FELIZ!

Afinal, você está vivo pra que? Eu digo com toda certeza:

PARA SER FELIZ! Mas pra isso, você precisa ser forte.

Boa passagem a você.

Aproveite as oportunidades.

Valorize o aprendizado de cada uma.

Cuidado para não perder algo raro quando sair.

Ao entrar, transmita o que possui de bom.

Pense e observe, sempre.

Ao estar diante de uma porta lembre-se:

A vida é risco!

“Quem não estiver preparado pra perder o irrelevante, não estará apto para conquistar o fundamental.”  (Augusto Cury)


Esconderijo

Padrão

Esconderijo
Origem: Wikipédia
A caverna também pode ser considerada um esconderijo.
Esconderijo é o lugar criado pelo ser humano ou por outro animal para se esconder de algo ou de algum perigo. Animais que se utilizam de esconderijo são as aranhas, os ratos, os répteis.

Fuga, medo, solidão, conflito.
O fato é que por vezes nós preferimos nos esconder a vivenciar um momento de prova. Como diz minha mãe “tapar o sol com a peneira”, camuflando a realidade.
O motivo mais sincero de abordar este assunto é de abrir os olhos para a realidade e enfrentar mitos, problemas, quebrar paradigmas.
Vejo muitas pessoas responderem á uma crítica mencionando uma situação o qual outra pessoa viveu, ao invés de encarar aquele momento.
Aprenda que o que é direcionado á você deve sim, ser respondido pelas suas atitudes, independente do que elas sejam (boas ou más).
Por qual razão que seja, acredito que por vezes, a auto-confiança é extremamente importante, tanto quanto o oxigênio.
Os motivos que nos levam a esconder são diversos, e individuais. Cada um sabe como a ferida dói e quando a lágrima é de felicidade, e, em alguns momentos, todos se escondem. Seja por medo ou por necessidade, temos um esconderijo que por vezes, dificilmente conseguimos sair.
Aqui generalizo o que digo porque não me sinto só nesta questão, e sei a dificuldade que é pra reconhecermos isso.
O que notei nas minhas vivências é que este esconderijo pode ser fundamental para o crescimento, mas para alguns, ele é fim da jornada.
Quando digo de crescer apresento o que aprendi com a dor: aprendi que ela fortalece. Já cheguei a me ver sozinha, numa multidão, sentindo falta de alguém que me compreendesse, e ali entrei no meu esconderijo. Ali, vi que quase tudo estava nas minhas mãos. A escolha é minha: continuar parada, no mesmo lugar, com as mesmas atitudes ou mudar, pelo meu bem e não pelos outros, e sair daquele esconderijo para viver desafios.
É triste dizer fim da jornada, para aqueles que dão muito valor á vida. Não critico aqueles que por vezes, se veêm no direito de interromper uma história, por não ver nela um motivo bom para seguir em frente.
Todos somos dotados de força e de fraqueza, e durante nossa jornada, encontraremos “N” desafios, momentos, pessoas, distintas em si e quanto as pessoas que vivenciam, portanto, antes de criticar atitudes que você não viveu, recomendo a prática da empatia.
É muito simples taxar de louco, cego, ignorante, fraco; quando na realidade, estamos todos no mesmo mundo, onde por vezes é mais prático criticar do que ajudar o próximo.
O bem que acho muito necessário é sairmos de nossos esconderijos e visitarmos o do outro. Talvez lá, encontremos o abrigo que precisamos e mostramos a ele o sol que a poeira não está o deixando enxergar.
Solidariedade, acima de tudo, nos bons e nos maus momentos.
Enxergue o sol, da forma que é, tire o que for preciso da frente para vê-lo. Enfrente com inteligência e sabedoria, tudo na vida á dádiva.
Fique no seu esconderijo apenas o tempo suficiente para aprender, que se tem alguém que precisa da sua força, esta pessoa é você mesmo.
Deus não lhe dará um fardo mais pesado do que pode carregar.