Monthly Archives: Julho 2012

Citação

A 3ª opção, por favor.

De certo, muitas vezes já ouvimos isso e até paramos para pensar sobre estas alternativas.

A verdade é que sempre irão nos cobrar por algo, desde criança foi assim.

Agora, porque receber cobranças de algo que deveria acontecer naturalmente?

Assim como para se estudar é preciso saber o que gosta (e olha lá quando isso não demora muito pra acontecer) naturalmente, “casar” não deveria ser regra.

Alias, só é pra aqueles que se encaixam neste padrão imposto.

Desde nossos antepassados, é a ordem:

Nascer, crescer, namorar, noivar e tchanaaaaaaaaaaaaan… CASAR!

Não cabe nessa ordem “ser feliz sem nomes”.

Porque é possível sim, e posso parecer radical, mas não escrevo pra que gostem de mim.

Eu entendo ser uma ordem cronológica bacana e etecétera, mas existem outros modos de ser feliz, sem necessariamente, casar.

Aliás, acredito que a união entre duas pessoas não se limita a este nome, nem apenas ao amor.

É uma relação tão complicada, sem fórmulas certas, que acaba sendo algo que não tem como se prever, ou estipular limites.

Uma aproximação, relação, sei lá, que envolve mais do que duas pessoas. Envolve o destino, o instinto e o que ambos desejarem pra si.

Assim como nem sempre comprar uma bicicleta é um bom investimento, logo, naquela frase, eu estaria sem nenhuma opção.

É lindo, aparentemente faz sentido, mas não me faz pensar que seja o único modo de se relacionar com sucesso.

E a questão da idade, que segue como cobrança, bem como a da maternidade, pra alguns poucos significa.

Afinal, é ou não é ridículo eu, aos 25 anos, ouvir que “estou ficando pra titia, e nem filho sou capaz de fazer? Já tá na hora né!”

Criaram-se padrões. Quem se encaixou neles deseja também incluir os demais.

No caso, eu não me encaixo nesta única realidade.

Sozinha sim, posso dizer que desfruto da minha melhor companhia.

Em dias quentes, em dias frios, em dias mornos.

Necessito sim de alguém ao lado, mas isto não me faz sentir-me incompleta.

Se um dia vier, se vier, será pra me acrescentar e não para completar, como buscam por aí.

Para desfrutar comigo a experiência que vivi durante o tempo em que jamais pensei em casar, ou comprar uma bicicleta.

Quanto a gestação, acho lindo ver famílias unidas. E também admiro as mães solteiras.

Nos chamam de sexo frágil mas mal sabem da nossa força. Se o homem é cabeça de um relacionamento, a mulher é o pescoço, já dizia a minha mãe.

É ela quem sustenta tudo. Está entre a razão e a emoção. E porque não, sempre em uma bicicleta? Sim, não há como ter equilíbrio sempre, por isso, também sofremos.

A condição atual não me discrimina, nem me afugenta, não me deixa indiferente.

Durante esta trajetória sozinha, já ouvi inúmeras piadas sobre o tal “estado civil”.

A mais hilária foi quando ouvi de alguém que eu estava sozinha por ser do signo de Peixes, e segundo ele, a explicação era:

“Quem pega um peixe? É muito difícil, pois muitos nadam profundamente”.

Não contente com a piada comentei com meu mestre, pai e amigo, que logo respondeu lindamente:

“Você está solteira porque a vara certa ainda não te pegou”

Não sou obrigada a seguir padrões impostos, até porque, a vida não vem manual.

E se for pra optar entre algo, minha opção é por ser feliz.

Independente dos padrões que VOCÊ julga serem corretos.

Agora pronto, sociedade.

Me deixem ser feliz com meu brigadeiro de panela enquanto isso.

Esta opção vocês não me deram e eu amei ter descoberto.

Obrigada!

Casar ou comprar uma bicicleta?

Anúncios