Monthly Archives: Maio 2011

Ame!!!

Padrão


Diz um conto chinês que um jovem foi visitar um sábio conselheiro e
falou-lhe sobre as dúvidas que tinha a respeito de seus sentimentos por uma
bela moça.

O sábio escutou-o, olhou-o nos olhos e disse-lhe apenas uma coisa: “Ame-a”.
E logo depois se calou.

Disse o rapaz: “Mas, ainda tenho dúvidas…”.

“Ame-a”. Disse-lhe novamente o sábio.

E, diante do desconserto do jovem, depois de um breve silêncio, disse-lhe o
seguinte:

“Meu filho, amar é uma decisão, não um sentimento. Amar é dedicação e
entrega. Amar é um verbo e o fruto dessa ação é o amor. O amor é um
exercício de jardinagem. Arranque o que faz mal, prepare o terreno, semeie,
seja paciente, regue e cuide. Esteja preparado porque haverá pragas, secas
ou excesso de chuvas, mas nem por isso abandone o seu jardim. Ame, ou seja,
aceite, valorize, respeite, dê afeto, ternura, admire e compreenda.
Simplesmente ame!…”

A inteligência sem amor, te faz perverso.
A justiça sem amor, te faz implacável.
A diplomacia sem amor, te faz hipócrita.
O êxito sem amor, te faz arrogante.
A riqueza sem amor, te faz avarento.
A docilidade sem amor, te faz servil.
A pobreza sem amor, te faz orgulhoso.
A beleza sem amor, te faz ridículo.
A autoridade sem amor, te faz tirano.
O trabalho sem amor, te faz escravo.
A simplicidade sem amor, te deprecia.
A lei sem amor, te escraviza.
A política sem amor, te deixa egoísta.
A vida sem AMOR… não tem sentido.

FOME!

Padrão

(este post preferi não ilustrar)

Há tempos vem se falando sobre este assunto tão grave em meios de comunicação, igrejas e afins. Frequentando á 3 anos uma universidade, e estudando RECURSOS HUMANOS, venho notando cada vez mais a preocupação que envolve aqueles que realmente se sensibilizam com esta doença sem cura.

Os dados são assustadores:

– Há 800 milhões de pessoas desnutridas no mundo.

– 11 mil crianças morrem de fome a cada dia.

– Um terço das crianças dos países em desenvolvimento
apresentam atraso no crescimento físico e intelectual.

– 1,3 bilhão de pessoas no mundo não dispõe de água
potável.

– 40% das mulheres dos países em desenvolvimento são
anêmicas e encontram-se abaixo do peso.

– Uma pessoa a cada sete padece fome no mundo.

Dados pouco divulgados na mídia e o qual o governo finge não ver.
O que vem sendo abordado em salas de aula é a responsabilidade de cada um diante destes dados, a opinião sobre medidas que deveriam ser tomadas pelo governo e por empresas e sugestões de projetos para combater a fome.
Hoje em sala de aula o Prof° Toninho nos apresentou o curta metragem Ilha das Flores que mostra a realidade bem perto de nós, aqui no Brasil mesmo.
É lamentável esta situação, e como em outros vídeos sobre este assunto, os colegas permaneceram em silêncio ao final, comovidos cada vez com o assunto e com a dimensão dele.
Há um ano atrás, tive a oportunidade de conhecer através de amigos uma ONG que arrecada alimentos para enviar a famílias necessitadas no Nordeste, que vivem em extrema pobreza. A proposta da ONG é juntamente com uma rede de mercados, arrecadar alimentos comprados naquele dia e enviá-los para quem necessita. O trabalho do voluntário consiste APENAS em mostrar ás pessoas que estão passando naquele dia eventualmente, fazendo a sua compra, a importância de ajudar o próximo, e contribuir com o que puder. A separação, embalagem, entrega, tudo isso é realizado por voluntários, após a arrecadação. Somente é necessário contribuir.
Este apenas que citei, porém, é o mais complicado. Muitos acham um trabalho simples, mas, não é bem assim.
Estar á disposição, por livre e espontânea vontade, para pedir comida para o próximo é uma experiência que levarei pra vida toda.
Como os outros colegas que lá estavam, na mesma intenção que eu (de arrecadar e conscientizar o máximo de pessoas possível), passei por constrangimentos, deboches, grosserias e por pessoas que ignoram esta realidade. Não os critico, já que neste país, é difícil mesmo acreditar que ainda existam pessoas honestas e fazem o bem. Porém, é notável um egoísmo e uma “cegueira” que não permite á muitos sequer, ouvir o motivo de estarmos ali.
Também, é de arrepiar quando lá, encontramos outras pessoas que compartilham conosco o trabalho que realizam, que reconhecem a importância e dificuldade de estar na “linha de frente”, para defender aquilo que a consciência manda e fazer o pouco, que para muitos, é o mais necessário. Algumas crianças surpreendem também, ao pedir aos pais pra ajudar, ou a dizer que ajudam a família de um amiguinho. Ou seja, é um trabalho de formiguinha…

Importante entender que a sociedade não precisa apenas contribuir com o alimento ou dinheiro em si, mas interpretar este problema, e, como em salas de aula, discutir o que pode ser feito para tentar ajudar quem estiver ao alcance.
Mostrar a realidade para aqueles que reclamam de não ter as mais diversas iguarias em sua mesa todos os dias, ou desperdiçam comida, como se ela nada valesse. Romper o preconceito, agir como irmãos, que precisam se ajudar para que ambos prosperem.
Vejo cada vez que vou ao mercado como está difícil se alimentar, com os preços que encontramos hoje. Se para quem possui uma renda já é complicado, imagine para aqueles que dependem do “resto” que é ofertado.
Além disso, há de se refletir também, já que logo o inverno chega, nas notícias que estão por vir. Quantos não morrerão de frio este ano? E por vezes, ouvimos reclamações, sobre a blusa de grife que não ficou boa…
Boas ações são pouco divulgadas, pois não dão ibope e normalmente, precisam ser pagas para que haja divulgação.
Um assunto delicado, que por vezes, me emociona e me revolta ao mesmo tempo.

Sinto que ainda faço pouco, mas como diz o lema:

“Se não posso fazer tudo que devo, devo, ao menos, fazer tudo que posso!”
Reflita!

Reticências

Padrão

Uma definição que não aprendi no dicionário, nem na Wikipedia.

Aprendi vivendo, amando…

Quando o sentimento não cabe em palavras…

Quando não há como traduzir o que se passa naquele momento…

Quando a saudade não se limita a sete letras e o amor á uma só palavra…

Quando os momentos felizes não foram contados em dias, em horas, meses ou em anos…

Quando se quer alguém…

Pra todo (…)

E  naquele momento em que sinto algo que não cabe em palavras…

Apenas em gestos e em (reticências)

Força!

Padrão


Sim, é isso que senti… FORÇA!

Pude olhar além dos limites do meu ser, consegui enxergar outros mundos e outras situações…

Um dia sonhei, e quando tive a chance de realizar este sonho, vi não era aquele o momento.

Consciente de tudo, não sendo mais apenas uma menina que age sem pensar, tive a coragem de conversar com aqueles que sei que me querem bem, e entendem muito bem o meu jeito de viver…

Aprendi nesta hora, que nem sempre a realização de um sonho traz felicidade, e que muitas outras coisas são importantes para que aquilo aconteça.

Sonhar por si é lindo, e vale a pena. Mas a vida nos ensina a amadurecer, sempre. Para que saibamos realizar este sonho com a certeza de que ele vale a pena.

“Se eu vi mais longe, foi por estar de pé sobre ombros gigantes.” – Isaac Newton

Se hoje me sinto feliz e forte, é porque vocês me ouviram, e sem reclamar ou julgar, estiveram comigo pra me ajudar…

Me compreenderam, e quando me senti insegura… Me deram a mão… e um abraço!

Quando me senti fraca, estiveram ali sem me perguntar o porquê nem pra quê.

Simplesmente, se fizeram presente!

Em nenhum minuto me esconderam o que sentiam, e nem por isso me senti fraca.

Abriram meus olhos quando as lágrimas não me permitiam mais enxergar, sentiram como é estar no meio de uma ponte, e não saber pra onde caminhar.

Choraram ao meu lado, mostrando como o sentimento nos une, e se torna universal em certas horas…

Me fizeram sorrir, quando tudo parecia sem razão para tal gesto e me mostraram que…

De nada vale viver, se você não tem ao lado, pessoas que te amam pelo que você é… e não por aquilo que os outros o julgam ser…

Ao final do dia fiz uma prece, e nela coloquei o nome de vocês.

Para que Deus saiba que vi o seu poder, e que compreendi o porquê vocês estão ao meu lado.

Á Ele e a vocês, o meu eterno AMOR, CARINHO e GRATIDÃO…

Sei que dei o melhor de mim e que em todas horas, agi por um único sentimento:

AMOR!

Amor por mim,

Amor pela vida,

Amor ao próximo!

Obrigada por tudo! ~Dani, Fê, Juju.~

“Se fiz descobertas valiosas, foi mais por ter paciência do que qualquer outro talento.”